Informações Adicionais

Caso necessite de mais informações sobre DPVAT para trabalhos acadêmicos ou outros interesses, podemos enviar um material rico em informação e completo para seu interesse no assunto. PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, CLIQUE AQUI.
Deixamos de apresentar uma amostragem oficial de estatística das vítimas de acidentes de trânsito por não concordarmos com as existentes, pois dados mostrados são controversos. As estatísticas apresentadas com os gráficos são oriundas do nosso banco de dados. PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, SOLICITE PELO FORMULÁRIO DE CONTATO OU FAÇA DOWNLOAD DOS GRÁFICOS DAS ESTATÍSTICAS ABAIXO:

GRÁFICO PESQ DEMOGRÁFICA SÃO JOÃO DE MERITI

GRÁFICO PESQ HOSPITAL ADÃO PEREIRA NUNES

GRÁFICO PESQ HOSPITAL DESEMBARGADOR LEAL JUNIOR

GRÁFICO PESQ HOSPITAL LOURENÇO JORGE

GRÁFICO PESQ HOSPITAL MIGUEL COUTO

GRÁFICO PESQ HOSPITAL PEDRO ERNESTO

GRÁFICO PESQ HOSPITAL SALGADO FILHO

GRÁFICO PESQ HOSPITAL SOUZA AGUIAR

1966 – O DPVAT foi criado, através do DL 73/66, com o nome de RECOVAT e mantido até 1974. Era, então, um conceito de Responsabilidade Civil Obrigatória.

1974 – Através da Lei 6.194/74 o RECOVAT, que tinha como premissa o pagamento da indenização somente no caso de culpa do veículo causador do acidente, passou a ser chamado de DPVAT e com um novo conceito, bem mais abrangente e de cunho social. As indenizações passaram a ser pagas independentemente de quem fosse a culpa e, esse conceito é mantido até os dias de hoje. PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, SOLICITE PELO FORMULÁRIO DE CONTATO.

DÉCADA DE AÇÃO PELA SEGURANÇA NO TRÂNSITO – 2011 – 2020 Resolução ONU n°2, de 2009 PROPOSTA PARA O BRASIL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES E SEGURANÇA VIÁRIA 1. INTRODUÇÃO O Plano Nacional de Redução de Acidentes e Segurança Viária para a Década 2011-2020, cujo texto foi produzido com a contribuição das organizações governamentais e não governamentais reunidas pelo Comitê Nacional de Mobilização pela Saúde, Segurança e Paz no Trânsito, coordenada pelo Departamento Nacional de Trânsito – DENATRAN, foi o ponto de partida para a construção deste documento. Elaborado a partir das sugestões recolhidas em reuniões da Comissão de Trânsito da ANTP, do Instituto de Engenharia e do Conselho Estadual para Diminuição do Acidente de Trânsito e Transporte – CEDATT, do Estado de São Paulo, o presente documento constitui uma proposta para os governos brasileiros e para a sociedade civil para o enfrentamento da grave realidade do acidente de trânsito no Brasil, como resposta ao chamamento da ONU, que, na Assembléia Geral, em março de 2010, com base em estudos da Organização Mundial de Saúde, estabeleceu a década 2011-2020 como a Década de Ação para Segurança Viária, convocando todos os países signatários, e o Brasil foi um deles, para esse esforço mundial. Em 2009, a Organização Mundial de Saúde registrou 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178países. Segundo a OMS, se nenhuma ação mundial for empreendida, este número poderá chegar a 1,9 milhão de mortes até 2020. Os dados de mortes no Brasil são controversos, em face de falta de um sistema seguro de estatísticas, mas, segundo estudo publicado pelo DENATRAN e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA em 2006, com dados coletados em 2004 e 2005, o custo social dos acidentes em rodovias foi estimado em cerca de R$ 24,6 bilhões anuais, dos quais R$ 8,1 bilhões correspondiam aos acidentes nas rodovias federais e R$ 16,5 bilhões nas estaduais. A pesquisa constatou que o custo médio do acidente com feridos fica em torno de R$ 90 mil e, com mortes, este valor chega a R$ 421 mil. Em estudo semelhante realizado em 2004 peloDENATRAN, pelo IPEA e pela Associação Nacional de Transportes Públicos – ANTP, para os aglomerados urbanos, a estimativa do custo social de acidentes de trânsito naqueles locais foi de R$ 5,3 bilhões anuais. Tomando-se os dois estudos, o custo social total no Brasil é da ordem de R$30 bilhões anuais. PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, SOLICITE PELO FORMULÁRIO DE CONTATO
O CCSEM – OSCIP é uma organização não governamental de caráter filantrópico e não tem vinculo de qualquer espécie com nenhuma facção política ou partidária. Mais uma vez inovando, o CCSEM – OSCIP vem comunicar o oferecimento de Palestras sobre Seguro DPVAT (Dano Permanente Causado por Veículos Automotoresem Vias Terrestres), devidamente Certificadas. Atuando a mais de 10 anos em Processos DPVAT, o CCSEM – OSCIP encontra-seextremamente qualificado, sendo uma Referência em atendimento gratuito às Vitimas de Trânsito em todo território nacional. As palestras serão Ministradas pelo Presidente do CCSEM – OSCIP ou Especialista em DPVAT. Objetivo: Transmitir Conhecimento sobre o Seguro DPVAT, uma vez que este ainda é um assunto desconhecido pela maior parte da sociedade. Público Alvo A) Funcionários Públicos – Área de Segurança I – Polícia Militar II – Bombeiro Militar III – Polícia Civil IV – P.R Federal – Área da Saúde I – Assistente Social II – Fisioterapeuta III – Ortopedista IV – Dentista V – Psicólogo B) Universitários I – Direito II – Serviço Social III – Fisioterapia IV – Medicina (Ortopedia) V – Odontologia VI – Psicologia C) Profissionais Liberais I – Advogado II – Assistente Social III – Fisioterapeuta IV – Ortopedista V – Dentista VI – Psicólogo Resultados Esperados: Espera-se que os Palestrados adquiram conhecimento suficiente para alcançar uma possível sub-especialidade em sua profissão e que se tornem multiplicadores de informação de grande cunho social. PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, CLIQUE AQUI 

Acidente de trânsito com vítima é um evento que deveria ser analisado pelo Governo como Calamidade Pública. O número de vítimas no trânsito em 2007 lotaria sete (7) estádios do Maracanã, o equivalente à população de alguns municípios do Rio, que possuem, aproximadamente, 500 mil habitantes. O pagamento do DPVAT para as vítimas (indenização e/ou reembolso) é gerenciado atualmente pela seguradora LÍDER, anteriormente era gerenciado pela FENASEG, tendo a SUSEP (Superintendência de Seguros Privados), órgão do ministério da Fazenda, a missão de fiscalizar o consórcio de seguradoras que operam o seguro DPVAT. PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, SOLICITE PELO FORMULÁRIO DE CONTATO.

I. Apresentação do curso É parte integrante do PROJETO SINAL ABERTO/Núcleo de Assistência Social às Vítimas no Trânsito, além da pesquisa sobre Nexo Causal, um cronograma de cursos. II. Justificativa do curso O Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), apesar de ser um órgão nacional e de cuidar dos assuntos de trânsito, desenvolvendo cursos como: legislação de trânsito, requalificação didática de instrutor de trânsito, educação de trânsito, básico de trânsito, análise de recursos de infração de trânsito e gestão de trânsito, não oferece curso de capacitação técnicaem Seguro DPVAT para agentes públicos e/ou interessados. Pensando nisso, o CCSEM teve esta iniciativa, pois uma grande preocupação da instituição é em relação aos números alarmantes de vítimas de acidentes no trânsito que, a cada ano, independentemente de todas as campanhas de conscientização veiculadas na mídia, as estatísticas crescem indiscriminadamente e, com isso, vitimando milhares de pessoas e desestruturando números astronômicas de famílias e lares brasileiros III. Objetivo do curso O objetivo principal do Curso é capacitar (agentes públicos e outros), onde estes seriam multiplicadores de informação sobre o DPVAT, assunto este de grande cunho social. IV. Público alvo Agentes Públicos, Universitários, Profissionais Liberais e etc… PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, CLIQUE AQUI
CARTA ABERTA AS AUTORIDADES CIVIS BRASILEIRA PODERES EXECUTIVO, LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO. Assunto: Sugestão importante em atenção aos Direitos das Vítimas de Acidente no Trânsito, em serviço a ser implantado em hospitais de emergência nos estados e municípios brasileiros. Prezados; PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, SOLICITE PELO FORMULÁRIO DE CONTATO
O QUE VOCÊ FAZ BEM PODE FAZER BEM PARA ALGUÉM Você pode fazer parte da nossa organização atuando e colaborando como voluntário, divulgando em seus perfis informação sobre os nossos projetos, você seria um TELE – VOLUNTÁRIO ou seja, um voluntário à distancia. Como também você poderá atuar como voluntário em caráter presencial atuando e colaborando em nossa sede. Por que participar da nossa organização como voluntário: Você exercerá a sua cidadania e poderá fazer algo pelo próximo e pela sociedade. Escolha como você quer nos ajudar: PARA SABER MAIS SOBRE ESTE ASSUNTO, SOLICITE PELO FORMULÁRIO DE CONTATO

Perguntas frequentes

O que é o DPVAT?

É um seguro social que reembolsa ou indeniza vítimas do trânsito e/ou seus beneficiários em todo o Brasil.

Quanto o seguro por invalidez pode beneficiar?

A vítima será indenizada em até R$ 13.500,00 conforme determina a lei.

Em quais casos posso usar desse benefício?

Em casos de debilidade permanente, perda, inutilização de membros, sentido, função incapacidade para o trabalho, enfermidade incurável ou deformidade permanente.

E caso tenha colocado parafuso, platina, amputação, ficou surdo ou passou a usar muleta etc.

Para menor de idade. Como funciona?

Vítimas Menores: Entre 16 e 17 anos a indenização será paga ao menor, desde que assistido por representante Legal (Pai/Mãe) ou tutor.

Para menor de idade e não possui RG nem CPF. O que fazer?

Sendo o beneficiário menor de idade e não possuir identidade e nem CPF, o representante legal deverá apresentar a certidão de nascimento do menor beneficiário com alienação mental é necessário curatela e os documentos do curador legal (Pai/Mãe) ou tutor.

Para pessoas analfabetas. Como proceder?

Os documentos podem ser assinados a rogo por terceiros e deverá apresentar a cópia simples e legível da carteira de identidade e CPF de terceiros. Não esquecer que os dados bancários são do beneficiário e jamais de terceiros ou procurador; ou constituir pessoa para representá-lo, cuja procuração e qualquer documento declaratório deverá ser emitidos em cartório.

Informações adicionais

– O pedido do DPVAT  por causa invalidez não tira o direito da vítima de pedir o reembolso do DPVAT por causa DAMS.

– BPC (Benefício de Prestação Continuada): O beneficiário poderá receber 1(um) salário mínimo do Governo Federal.

– Gratuidade de Passagem: Em ônibus, metrô, trem e barca.

Links importantes

CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito

DPRF-Departamento de Polícia Rodoviária Federal

MT– Ministério dos Transportes

DNIT– Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes

ANTT– Agência Nacional de Transporte Terrestre

Câmara dos Deputados– Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro

ABRAMET – Associação Brasileira de Medicina de Tráfego
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas
ABDER – Associação Brasileira dos Departamentos Estaduais de Estradas de Rodagem
ANPET – Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transporte
ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos
FENASDETRAN – Federação Nacional das Associações de Funcionários de DETRAN